Paraíba - 24-06-2018 15:36:50

Início » colunistas » Cidades em Crise, salários em alta

Cidades em Crise, salários em alta

Prefeitos com padrão de vida elevado

É de causar revolta a reportagem veiculada pelo portal Click PB e repercutida em todos os meios de comunicação do estado, dando conta dos salários recebidos pelos atuais prefeitos.

Diante da situação de crise em que o país atravessa a total falta de investimentos nas áreas vitais da administração pública municipal, como saúde, educação e infraestrutura, prefeitos de cidades que atravessam estado de calamidade pública, se refastelam com salários fora da realidade econômica das cidades que administram e muito acima da renda per capta do cidadão Paraibano.

É de se imaginar que eles eleitos, mas não ungidos, formam uma casta, uma classe superior que junto com seus secretários municipais tem o direito de viver melhor e mais confortavelmente do que os munícipes que arcam com essa estrondosa despesa.

Um caso que causa total indignação é o dos prefeitos das cidades de Santa Rita e Bayeux localizadas na região metropolitana da capital, conhecidas por não terem sorte com os administradores que chegam ao poder, por não apresentarem à população soluções para os problemas do cotidiano.

Enquanto prefeitos de cidades menores abdicaram de seus salários para ajudar a tão combalida situação financeira dos municípios, à exemplo de Nilson Lacerda da cidade de Conceição, Manoel Bezerra da cidade de Manaíra, Iremar Flor da cidade de Pilões, Dr. Jaques da cidade de São Bento, Marinho Ferreira da cidade de São Domingo do Cariri, João Bosco da cidade de São Francisco e Dr. Umberto da cidade de São Mamede.

O prefeito da cidade de Bayeux, Mauri Batista, popularmente conhecido como Noquinha, ganha dos cofres públicos a quantia de R$ 20.257,60 (Vinte mil, duzentos e cinquenta e sete reais e sessenta centavos), já o prefeito da cidade de Santa Rita, o Médico Dr. Emerson Panta, recebe mensalmente da municipalidade a quantia de R$ 20.042,00 (Vinte Mil e quarenta e dois reais).

 

No caso do Prefeito interino da cidade de Bayeux, a coisa fica mais complicada, uma vez que o prefeito eleito, Berg Lima que está afastado do cargo devido a atos de corrupção à frente da gestão pública, recebe a mesma quantia de Noquinha que é Presidente da Câmara Municipal, e poderia ter optado pelo salário de vereador para aliviar os cofres da prefeitura, é de causar estranhamento também o fato da câmara municipal ainda não ter cassado o mandato de Berg Lima, apesar do vídeo que foi destaque no noticiário nacional, onde o mesmo recebe propina de um empresário para facilitar o andamento dos pagamentos de notas fiscais da gestão anterior.

 

 

A população das duas cidades, reclamam diariamente através dos meios de comunicação e das redes sociais, a total apatia e paralisia das gestões de ambos os prefeitos, que apesar de muito bem remunerados não conseguem cumprir seus planos de governo, ou ao menos minorar os problemas enfrentados pelos munícipes que procuram os serviços mais básicos em suas cidade.

Está na hora da sociedade reagir e acabar de vez com esse formato que a política ganhou de “Negócio” e exigir que os administradores públicos ajam dentro da lei e principalmente usando o senso crítico do que e justo e moral.

 

 

Luiz Vieira

Radialista

Share
QR Code Business Card